quarta-feira, 7 de abril de 2010


QUERO MORRER NOS BRAÇOS DE UM ANJO...



Quero morrer nos braços de um anjo

que saiba a cor dos olhos que tenho,

e me encontre no céu um canto qualquer

onde eu possa ser de algum préstimo...



Posso ser pastora das nuvens que balem

murmúrios de vento num prado em azul,

depois, tecelã das asas dos anjos,

ou mestre-escola dos querubins...



Quando eu morrer, nos braços de um anjo,

quero reconhecer-lhe o colo macio,

aprender com ele a perspectiva única

de ver o Mundo com olhos de Deus...



Quero ser tudo o que não consegui ser,

quero ser melhor do que fui capaz,

mais forte que a Vida, mesmo que na Morte,

de própria vontade doar-me, inteira!



Quero que o meu Anjo me tome nos braços

e me encontre um canto de paz junto a si,

que me desvende o papel para que morri...

ou, simplesmente, me deixer ser... Mãe...






2 comentários:

Dulce disse...

Olá Teresa. Vim através do Lusopoemas, pé-ante-pé, descobrindo a sua poesia. Não consigo comentar este seu poema porque penso que é tão intimo que nem lhe toco. Apenas lhe digo que o seu coração tocou o meu profundamente e não consigo suster uma lagrimita...daquelas teimosas. Só para a ler já valeu a pena inscrever-me.
Que Deus a abençoe e a toda a sua família

Laurinha disse...

Teresa,

Aqui no Brasil, o segundo domingo do mês Mariano se comemora o dia das mães. Lembrei-me de ti e desejei deixar-lhe um abraço fraterno e um sorriso nos lábios.

Toda mulher é mãe em sua essência, mesmo aquela que nunca amou, nunca se deu ainda assim é mãe, pois no seu egoísmo é mãe de si mesma. Somos mães dos filhos que criamos, dos homens que amamos e dos amigos que cultivamos. Mãe é um ser tão diferente sobrevive apenas de amor... Muito amor a todas as mães que habitam em cada mulher desse planeta...
Feliz dia das Mães todos os dias da tua vida!!!

Beijos....