quarta-feira, 29 de maio de 2013

LEGENDAS ÍNTIMAS





As mãos
como pássaros de asas descaídas
descansavam num céu de fundo negro

 
mas a boca era trilho entre roseiras
colhendo sorrisos entre espinhos
e beijos entre as curvas traiçoeiras

 mas os olhos eram lagos pequeninos
onde um anjo navegava a vida inteira
velando pelo bem de dois meninos...







.

1 comentário:

Teresa Almeida disse...

A poesia como salvação. Mistério divino!
bBeijinho.