segunda-feira, 16 de março de 2009

BREVE RAIO DE SOL BREVE


Sempre que te chamo, roças o meu rosto,

Beijo por mim passas, em brisas de asas,

Leve, o teu toque, diáfano e rosas,

Afasto-me o cálice, nego-me o desgosto...



Ao altar me chamas, em silêncio e luz,

Adorar-te eterna em prece sentida

É cruz que me elevas, filha prometida,

Doce dor saudade que mata e seduz.



És doce fragrância de manhã cristal,

Sempre que te sinto, rosa e orvalho,

Regato onde bebo, sombra a que me valho...



Círio e cera em lágrimas, cântico final,

Raio de sol breve que me iluminou...

...Arde em mim perene a dor que me ficou...

1 comentário:

Sandra disse...

Teresa,

Deixo-lhe um grande beijinho e o meu muito obrigada pelo carinho...Já colei e redistribui o selinho que me deixou.

Sandra