quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

SÓ TU, TALVEZ...




Só tu,
talvez,
que estás tão acima
do azul que abraça este vale
das lágrimas onde mergulho
a saudade que me aperta
e me aparta
do Céu...

Só tu,
talvez,
tão acima desta luta
que travo com a ausência
da visibilidade da luz,
saibas o quanto em dor
me coube
em Vida...

Talvez só tu
(e Deus),
saibas a força que sou,
a mão que me amparou
quando os espinhos que teci
da coroa que mereci,
me doeram
na Alma...

E a ti
(e a Deus),
ergo os olhos já sem lágrimas,
recolho-me às minhas margens
e vejo fluir os rios
que purifiquei
em Ti...

3 comentários:

Diana Correia disse...

Lindo, lindo... deixa-me sempre sem palavras. Leio e fico a divagar em silêncio. Adoro o seu espaço, escreve maravilhosamente bem. Faz sentir! :)
Beijinho.

Laurinha disse...

Sublime!!!

Concordo com o comentário acima. Este espaço, ainda que eu nao entenda, racionalmente, me dá uma sensação de paz espiritual.
Quem saberá?

Aproveito para desejar a ti e os seus, um ano de feliz viver!
Saudades da minha terra!

Beijos com carinho

Adelaide Monteiro disse...

Teresa,

A tua escrita tem uma tal intensidade de sentimentos que até arrepia.
No céu há-de estar sempre uma candeia acesa a iluminar-te a vida.

Beijinho

Adelaide